Título: À Procura de Audrey
Autor: Sophie Kinsella
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 336
Ano de Publicação: 2015
Gênero: Romance  / Ficção / Jovem adulto / Literatura Estrangeira
Sinopse: Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.
Então eu li meu primeiro livro da Sophie Kinsella. Não poderia estar mais ansiosa e com as expectativas bem no alto; mas, talvez foi isso que tenha me desanimado com algumas partes de À procura de Audrey, o jovem adulto de estreia da autora. Apesar de ter dado 4 estrelas e de um modo geral ter gostado do resultado, algumas coisas me incomodaram e, consequentemente, me fizeram ficar meio irritada.
À procura de Audrey conta a história de uma adolescente com fobia social, transtorno de ansiedade generalizada e depressão, a Audrey. Após sofrer um ataque de bullying na escola em que estudava, a jovem acaba desenvolvendo tais transtornos e não saindo mais de casa e apenas vivendo presa em sua bolha de segurança. Com uma família grande, Audrey não consegue manter nem contato com eles direito, usando sempre um óculos escuro e morando em seu ''escritório'', onde geralmente está tudo em uma escuridão total. As coisas mudam quando Audrey conhece Linus, o amigo do seu irmão Frank.
"O problema é que a depressão não vem com sintomas práticos como pintinhas pelo corpo e febre, portanto não se percebe de primeira. Continua-se dizendo ''estou bem'' para as outras pessoas, ainda que não esteja. Você pensa que deveria estar bem. Segue repetindo para si mesmo: ''por que não estou bem?" -  Audrey, pág. 32."
Narrado em primeiro pessoa, vamos acompanhando a trajetória de superação da Audrey. Vamos sendo guiados pelo olhar da adolescente. Seus sentimentos, medos, suas alegrias e todo o resto que a narração em primeira pessoa nos proporciona. Eu, particularmente, adorei a Audrey e a entendo do fundo do meu coração. Eu sou diagnosticada com Transtorno Depressivo Recorrente, não chega nem perto do que a Audrey passa, mas eu me coloquei um pouco em seu lugar e isso tornou a leitura mais completa. 

Adorei a forma como a Sophie Kinsella introduziu Linus, o par romântico de Audrey. A interação deles, os limites sendo superados aos poucos, sem ser forçado ou maçante, a relação dos dois vão ganhando dimensões importantíssimas para a recuperação de Audrey. As idas a Starbucks, o esforço de Linus em ajudá-la, o carinho e cuidado que ele tem com ela, tudo isso é tão importante para que Audrey volte ao convívio em sociedade. Outro ponto positivo, é a terapeuta, Dra. Sarah, que deixa a história com um tom mais sério e real. 
No entanto, como tudo não são flores... Algumas coisas na história me incomodaram. A primeira delas, é a mãe de Audrey, a Anne. "Mas por que ela te incomodou Anelise?", veja bem, eu achei ela exagerada demais, forçada demais e chata demais. Todas as cenas com a Anne eu achava imensamente insuportáveis e sufocantes. Eu sou uma pessoa muito calma e muito na minha, meus pais super respeitam meu espaço e me senti sufocada com as cenas da mãe da Audrey. Talvez se eu tivesse uma família mais barulhenta e extravagante, eu não a achasse chata, mas infelizmente acabei ficando de saco cheio dela. Principalmente nos surtos dela com o Frank.

Outro ponto negativo ao meu ver, veja bem, AO MEU VER, são as cenas do documentário que a Audrey faz como tratamento. Achei longas e deveras desnecessárias. Acho que a Sophie pesou a mão, porque são três páginas só descrevendo as cenas do documentário e isso também me deixou meio ''que saco!''. Sim, posso estar sendo meio chata agora, mas me incomodou muito as longas cenas desse filme que nossa protagonista estava fazendo. 
"Sei racionalmente que olhos não são assustadores. São pequeno globos gelatinosos inofensivos. São tipo uma fração minuscula de toda a superfície do nosso corpo. Todos nós os temos. Então por que deveriam me incomodar? Mas tive muito tempo para pensar nisso e, se quer saber, a maioria das pessoas subestima os olhos. Para começo de conversa, são poderosos. Têm grande alcance. Você os foca em alguém a 30 metros de distância, em meio a um mar de gente, e a pessoa sabe que está sendo observada. Audrey, pág. 34 "
Em suma, é um uma ótima estreia da Sophie Kinsella no jovem adulto. É sempre importante trazer temas como transtornos psicológicos, bullying entre outras coisas, de uma forma mais leve, mas que ao mesmo tempo seja séria. De um modo geral, eu gostei muito da obra e da maneira que Sophie abordou o tema. Gostei dos personagens, exceto da mãe de Audrey, gostei da forma de escrita e da capa do livro. Essa edição é realmente bonita. 

Um ótimo lançamento para o ano de 2015 e acredito que todos deveriam ler e se interessar por esse assunto. A abordagem mais leve da Kinsella pode ajudar em quem tem interesse de ler algo do gênero e do tema, mas que não quer nada muito sério e complexo. Fica a dica para quem quiser entender mais sobre o mundo dos transtornos psicológicos e suas consequências e superações. Se você já leu, me conta nos comentários! Até mais!

24 Comentários

  1. Olha primeiramente quero te parabenizar pela BELA resenha, porque além de você ter abordado tudo sobre a estória muito bem, porque eu ainda não tive a oportunidade de ler o livro e estou bastante ansiosa. Eu já o tenho na minha estante e espero gostar bastante da estória, porque sinceramente eu acho que a Sophie é bastante talentosa, mas ainda não li nenhum de seus livros. Quero ler primeiro Emma Corrigan, porque é um dos mais comentados. Depois quero ler esse que provavelmente vou gostar bastante. Adorei sério tudo que você falou. Seu ponto de vista também foi bacana. Agora que nem você disse e concordo com você, as vezes os autores tem que falar de assuntos de uma maneira mais leve para poder atrair o leitor. Sinceramente tem livro que nem leio por conta disso, mas quando tem uma pitada de humor ou de alguma maneira uma certa descontração eu APOIO sério. Mas é isso...

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/09/resenha-black-bird.html

    ResponderExcluir
  2. Oii,

    Gostei da sua resenha.
    Esse livro está na minha lista de leitura e também é o meu primeiro da autora.
    Mas vou ler sem expectativas para ver se gosto.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Anelise, tudo bem?
    Tava com um pouco de preconceito com esse livro, porque não gosto das histórias da Sophia Kinsella, mais por causa do gênero que ela escreve mesmo. Mas agora que sei que é bem diferente de tudo que ela já escreveu e que trata de temas que eu acho super importante ser citado nos livros, fiquei curiosa e espero poder lê-lo logo.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
  4. Oie Ane! ^^
    Nunca que olhando essa capa eu ia imaginar o tão profundo que é essa trama, claro que eu entendi que é tratando de uma forma mais leve, mas mesmo assim não tira a importância do assunto que está sendo desenvolvido.
    Costumo ler livros que falam sobre doenças ou transtornos e fiquei bastante curiosa para conhecer a Audrey, espero conferir essa história logo!

    Beijos e até logo! ;)
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Ane!
    Nunca li nada de Sophie, mas morro de vontade também.
    Adorei conhecer um pouco sobre Audrey e fiquei curiosa para saber a história completa!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  6. Anelise, eu nunca li nada da Sophie Kinsella e acho que iria gostar muito se começasse por esse, mesmo ele sendo a estreia da autora em um novo gênero.
    Gostei do tema que é abordado no livro e fiquei interessada para saber mais e ver a escrita dela.
    Também quero saber se vou me irritar com as coisas que você não curtiu.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  7. Gostei da premissa, achei bem interessante e acho que irei me identificar com a personagem, já que também tenho fobia social e sofro de ansiedade :) É um jeito meio ruim de identificação, mas ok, hehehe. Gostei muito da sua resenha! Acho que também irei me irritar com a mãe da Audrey...

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?

    Achei a premissa bem interessante e fico com vontade de ler o livro. As vezes é difícil ler histórias envolvendo adolescentes, a maioria deles me irrita muito. rs
    Ainda quero ler esse livro e acredito que ir com muitas expectativas é complicado, gosto de ir para leitura sem almejar muito. hehehe. Mas que bom que de um modo geral, vc conseguiu gostar.

    Beijo!
    Ana.

    ResponderExcluir
  9. Menina, continuo adorando o modo como você bloga. Gosto de ver suas opiniões. Então, ainda não li essa obra, mas pretendo simplesmente por ser da querida Sophie Kinsella. É uma autora que amo demais – e meu maior arrependimento por não ter ido à Bienal é não tê-la visto.
    Enfim, gostei de saber também sobre os pontos fracos da história. Acho que vou curti-la, apesar deles.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oie! Estou louca para ler esse livro. Ele está na minha listinha, mas ainda não tive a possibilidade de adquiri-lo. Gostei bastante da sua resenha.

    Beijos,
    Dai | www.cheirodelivronacional.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Anelise!

    Eu gostei muito da sua opinião. Eu já tinha visto a capa do livro e a sinopse, mas resenha ainda não tinha lido. Este livro vai para listinha de prioridades porque quero ler.

    Bjos

    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oiee ^^
    Esse livro está me perseguindo, não é possível! Agora é definitivo: eu quero! Ainda não li nada da autora, mas tenho muita curiosidade de conhecer sua escrita, vendo que tantos leitores gostam e indicam os livros dela. É uma pena que o livro não tenha te conquistado 100%, mas quem sabe as outras histórias da Sophie não o fazem? Espero que sim :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi Anelise, desde o lançamento desse livro eu tenho curiosidade em ler e conhecer já que eu nunca li nada da autora também, mas particularmente eu preferia começar por outro livro dela, algum mais conhecido sabe? Para depois ler esse que é de outro gênero que ela sempre escreve, mas ainda pretendo ler :D

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  14. Olá

    A Sophie Kinsella é a minha escritora favorita, já li quase todos os livros dela, esse é um dos poucos que ainda não li, mas tenho vontade de ver como ela escreve outros tipos de livro.
    Mas eu indico pra você outro livro, que na minha opinião é o melhor Menina de vinte.

    Bjss

    ResponderExcluir
  15. Olha, pelo que tenho visto, esse livro está mais para juvenil que para adulto. Até o momento, não encontrei nenhum teor adulto no livro... o.O
    Mas achei a capa do livro bonita.

    ResponderExcluir
  16. Oi oi!
    Eu já tinha visto essa capa maravilhosa por aí, e depois da sua resenha sei que preciso não só dela, mas da história por trás.
    Nunca li nenhum livro que trate de depressão e acho que seria um bom começo. Acho que vou curtir o romance, já que como você falou, não é nada forçado, e com certeza vou me irritar com a mãe dela.
    Ainda assim, não deixarei de ler.
    Beijos e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  17. Sophie me parece ótima, mais ando bem sem tempo atualmente para me dedicar a novas compras! Mais esse livro está bem bonito, interessante e atual. Uma hora adquiro meu exemplar, afinal é sempre bom atualizar-se na vida dos acontecimentos de hoje em dia!
    Mila-Scraplivros

    ResponderExcluir
  18. Ola lindona amei essa capa e fico triste ao ver como o bullying afeta as pessoas que sofrem dele, deixando marcas na personalidade, e passa anos e anos e isso não muda mesmo com muitas campanhas. Gostei de saber da Diva mudar um pouco de gênero e com maestria. Com certeza vou ler, e espero ver que Audrey se reencontrou com ela mesma. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  19. Oi Ane, sua linda, tudo bem
    Essa é a terceira resenha que leio sobre esse livro hoje, risos...Mas gostei, pois cada uma me apresentou um pouquinho do livro, uma visão diferente. Realmente, três páginas descrevendo o documentário, toda vez que ela estiver filmando, pode ficar cansativo. Mas a história é tão encantadora, o romance deles parece ser tão fofo que não tem como evitar: eu quero ler esse livro, risos... Sua resenha ficou ótima!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Gente, quero por demais esse livro :O
    Muito boa sua resenha, da para perceber facilzinho o que você sentiu ao ler.

    Abraço

    ResponderExcluir
  21. Oi!
    Gostei muito desse livro, principalmente por envolver temas tão sérios, e com uma abordagem leve mas impactante.
    Com certeza vai para meus desejados

    ResponderExcluir
  22. Eu nunca li nada da Sophie, mas quero ler esse livro, quanto sendo seu primeiro Jovem adulto, um gênero que eu amo.
    Eu adorei a premissa do livro, amo esses lances de psicologos e tal.
    Então, eu não sei se iria achar sufocante as cenas onde a mãe da garota aparecesse, mas vou conferir o livro e depois digo o que achei.
    Amei sua resenha

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Eu sou louca para ler os livros da Sophia. Esse me pareceu bem diferente dos que ela escreve, mas com certeza deve ser maravilhoso.
    Adorei a sua resenha e vou colocá-lo na minha lista.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir